Por que a imprensa americana odeia Jennifer Aniston?

E! News, Início, | Faz 7 anos

 
Jeffrey Mayer/Getty Images
Quem trabalha com Jennifer Aniston esbanja elogios sobre ela, porém a imprensa não parece ter tanta simpatia pela atriz assim.  Desde o divórcio com Brad Pitt, a atriz é o centro das atenções das manchetes e críticas, que a mostram como uma mulher sem rumo, desesperada para encontrar um namorado. Pessoalmente, Jennifer Aniston deve ser um amor de pessoa, como afirmam aqueles que a conhecem. Gerard Butler, que trabalhou com a atriz em Bounty hunter, disse a revista Us que a atriz é "muito simpática e muito fácil de conviver", inclusive chegou a qualificá-la como uma pessoa para ter como "melhor amiga". Já a estrela do E!, Chelsea Handler, comentou no programa de Jay Leno que Aniston "é doce" e agradeceu à atriz por ter passado o feriado de Ação de Graças no México com ela. Porém, quando se trata de protagonizar as manchetes dos principais jornais e revistas dos Estados Unidos, Jennifer Aniston não cai tão bem. Na maioria das vezes, a mídia só fala dos altos e baixos dos seus relacionamentos, criando uma imagem de que a atriz não é capaz de sustentar um namoro Esse é o tipo de assédio que a ex-Friends sofre. Sempre a qualificam como uma pessoa triste, algo provavelmente criado pelo apresentador Tim Gunn: “As vezes penso que está escrito no rosto dela 'pessoa desesperada'".  Parece que o grande crime da atriz foi ter se separado de Brad Pitt, perdendo um dos homens mais desejados de Hollywood. A pior parte é que a nova família de Pitt e Angelina Jolie, com os seus 6 filhos, é considerada o maior glamour de Hollywood. Por causa desta situação, Popeater entrou em contato com o doutor Lorraine B. Cates, um psicanalista e terapeuta de casais, que explicou  as razões desta diferência de tratamento.  De acordo com esse médico, o comportamento existe porque Jennifer Aniston projeta um look de garota normal, próxima, que luta pelo que quer e soluciona os problemas como qualquer outra pessoa. Algo totalmente oposto da imagem de Brangelina. “Angelina Jolie demonstra conhecimento de tudo que a gente gosta de perceber em uma estrela. Nossa cultura está tendo dificuldades para lhe dar com o fato de sermos simplesmente humanos, algo que Anisto projeta muito bem", afirma Cates. “Com a enorme quantidade de mudanças culturais que enfrentamos, há um retorno evidente sobre o desejo de termos deuses e deusas", continua o doutor. Por isso, comportar-se como uma pessoa normal e não como um "divino", um "Deus", tem sido o erro de Aniston. “A culpa é da mídia que decreta - ou não, já que as pessoas deixam - a mensagem de que ser uma pessoa real não é aceitável. E isso é que é o mais triste de tudo, não a atriz Aniston".   Via: Europapress.