Wentworth Miller, astro de Prison Break, assume ser gay

E! News | Faz 3 anos

 
Wentworth Miller

Matt Sayles/AP Photo




Ator rejeitou convite para festival russo devido à lei antigay do país






Wentworth Miller, o Michael Scofield da série Prison Break, que chegou ao fim em 2009, assumiu ser gay. O ator decidiu que era hora de fazer o anuncio publicamente depois de ser convidado para um festival de cinema na Rússia.

Siga o E! Online Brasil no Twitter

"Obrigado pelo gentil convite. Como alguém que gostou de visitar a Rússia no passado e também tem um diploma em história russa, eu ficaria feliz em aceitar. Porém, como um homem gay, eu devo recusar", declarou Wentworth em uma carta à diretora do St. Petesburg International Film Festival, Maria Averbakh.

LEIA TAMBÉM: Astro do canal Nickelodeon assume ser gay

"Estou profundamente perturbado com a atual atitude e tratamento dado a homens e mulheres gays pelo governo russo. A situação não é aceitável de nenhuma forma, e eu não posso participar de uma ocasião de celebração em um país onde pessoas como eu estão sendo sistematicamente negadas a seus direitos de viver e amar abertamente. Se a situação melhorar, eu me sentirei livre para fazer uma escolha diferente", continuou ele.



Wentworth Miller

C. Hodes / Fox



A carta do ator foi postada no site da GLAAD, organização que luta pela igualdade e pelo apoio à comunidade LGBT.

"A decisão de Wentworth de mostrar apoio manda uma poderosa mensagem aos russos LGBT: vocês não estão sozinhos. Conforme as pessoas pelo mundo continuem sendo contra essa horrível lei, mais celebridades e empresas devem seguir sua corajosa liderança em condenar abertamente a lei anti-LGBT na Rússia", declarou Wilson Cruz, porta-voz da GLAAD.

Leve o E! Online Brasil no bolso! Baixe o aplicativo do E! na Apple Store, Google Play ou Blackberry App World

A leia russa antigay foi implementada no mês passado, proibindo "propaganda de relações sexuais não tradicional em torno de menores", incluindo a discussão pública dos direitos dos gays em locais onde crianças possam ouvir a conversa. A lei foi condenada por grupos de direitos humanos russos e internacionais como altamente discriminatória.