Perfis olímpicos: Usain Bolt busca ressurgir em Londres

E! News | Faz 5 anos

 

Chris Jackson/Getty Images



O homem mais rápido da terra, o jamaicano Usain Bolt quem participou de uma corrida "brincadeira" com o Príncipe Harry este ano, parece ter encontrado um concorrente a seu nível. Todos os olhos foram voltados ao redor do detentor do recorde mundial dos 100 metros rasos depois de perder para o compatriota, Yohan Blake, na fase de qualificação para os Jogos, que foram realizadas na Jamaica.

A corrida realizada na ilha caribenha reuniu três dos melhores corredores de todos os tempos, Asafa Powell, Usain Bolt e Yohan Blake. No duelo final, Bolt e Blake se igualaram, com um resultado favorável para o segundo, que é o atual campeão mundial na disciplina.






Alguns culpam Bolt por uma distração na linha de chegada, um episódio que não é anedótico ter ocorrido anteriormente no Mundial de Atletismo de Daegu. Nesta competição no ano passado, Bolt foi eliminado depois de uma falsa saída que deixou a vitória de bandeja para Blake.

Entre as causas que apontam para a má condição física de Bolt, seriam pequenos contratempos pessoais ou até mesmo uma pequena lesão, que causou com que seu treinador, Glen Mills, o aconselha-se a não correr até sua participação em Londres. "Após a participação de Usain nas provas nacionais em Kingston, onde teve um pequeno problema, e depois de uma cuidadosa avaliação, decidimos lhe dar descanso e tempo para realizar o tratamento, treinar e se preparar para os Jogos", disse Mills.

Além disso, o agente da estrela, Ricky Simms, confirmou recentemente sua presença nos Jogos Olímpicos, apesar das dúvidas que surgiram no início. "Ele está de volta ao normal, está treinando no ritmo normal e está em perfeitas condições para ir", disse ao diário Daily Telegraph.

Bolt surpreendeu o mundo nos últimos Jogos em Pequim ao parar o tempo em 9,69 segundos, com uma exibição de força física e coordenação nunca vista antes. Tal ação pulverizou o recorde mundial realizado pelo velocista, ao baixar sua a marca em onze centésimos em relação a obtida posteriormente no campeonato Mundial de Berlim, em 2009.

Todos estes recordes contrastam com a questão de saber se o jamaicano conseguirá emular Carl Lewis nos Jogos Olímpicos. O atleta norte-americano ganhou a medalha de ouro nos jogos de Los Angeles em 84 e Seul em 88, um feito que ninguém jamais repetiu. Teremos que esperar até sua próxima exibição para ver se os presságios vão se cumprir com o detentor do recorde da Jamaica, ou do contrário, estamos testemunhando o ponto culminante de um atleta excepcional.