Os três principais fatos do início da segunda semana do julgamento de Conrad Murray

E! News | Faz 5 anos

 
AP Photo/Isaac Brekken; Getty Images
No dia de ontem, 3, começou a segunda semana do julgamento do Dr. Conrad Murray, o médico acusado pelo homicídio involuntário de Michael Jackson, com depoimentos detalhados e comoventes. Foram chamados pela promotoria dois médicos que tentaram reanimar Michael no centro médico da UCLA no dia de sua morte, em 25 de junho de 2009, e dois representantes de companhias de telefonia celular. E a defesa de Murray chamou um ex-paciente do médico, um voluntário do seu consultório e um amigo de longa data. E a seguir um resumo dos fatos mais importantes do dia de ontem. 1 Murray realmente não teve a intenção de matar Michael: ele é acusado por homicídio involuntário, o que por si só quer dizer que a promotoria entende que não foi a intenção dele matar o cantor. Mas enquanto as testemunhas da semana passada disseram que Murray estava hesitante para ligar para a emergência e que ele não mencionou o propofol quando os paramédicos perguntaram o que havia acontecido, um cardiologista que estava de plantão quando Michael Jackson chegou ao pronto socorro testemunhou que Murray desesperadamente implorou para que os outros médicos não desistissem de salvar Michael, mesmo depois de o chefe dos paramédicos ter anunciado sua morte às 12h57 enquanto eles ainda estavam na casa do cantor. A Dra. Tao Nguyen testemunhou que Murray não mencionou o propofol a ela. O que mostra que ele estava apavorado com a possibilidade de Michael morrer, simplesmente porque era ligado sentimentalmente ao cantor. SAIBA MAIS: O julgamento de Conrad Murray: cinco coisas que a TV não está mostrando 2 Michael Jackson morreu duas vezes: Embora a Dra. Richelle Cooper tenha autorizado declarar a morte do cantor enquanto eles ainda estavam em sua casa, os médicos do centro médico da UCLA tentaram reanimar Michael por uma hora e treze minutos a pedido de Murray, e ele foi oficialmente declarado morto às 14h26, “Eu fui ver como estavam as crianças... Elas estavam chorando”, disse Cooper, “Elas estavam bastante histéricas mas sendo consoladas por sua enfermeira”. 3 A vida continua: A matriarca da família, Katherine Jackson, estava notavelmente fora de seu lugar na sala de julgamento, a primeira fila. A mãe de Michael tirou um dia livre da corte depois de ter ido à estreia do Cirque du Soleil especial com os temas de Michael Jackson junto com os filhos do cantor na noite anterior. Katherine tem sido vigilante como ninguém no julgamento de Murray, mas é bom vê-la tirando um tempo para si mesma.