O dilema de Charlie Sheen

E! News | Faz 6 anos

 
CBS
Carlos Irwin Estevez, mais conhecido como Charlie Sheen, a estrela de filmes importantes na história do cinema como Platoon e Wall Street, o filho de Martin, irmão de Emilio e ex de Denise, está começando a se transformar em um personagem que não deixa possibilidade para meios termos: ou você o odeia ou você o adora incondicionalmente. Se você se encontra no primeiro grupo, é provável que você o considere um palhaço ou duende.  Se você está no segundo grupo...também! Nada dos acontecimentos que vêem ocorrendo esses dias importam para Charlie, exceto proclamar que ele é um vencedor, que tem sangue de tigre e mostrar aos noticiários que possui em geral 24/7 vidas. O caráter violento e desaforado de Charlie Sheen junto com seu gosto pelo álcool, as drogas, os pornôs, as prostitutas e um toque de humor bastante particular já é história, tanto que lhe rendeu seu próprio website. Ainda existe alguém que não tenha certeza que Two And A Half Men foi baseada na vida de Sheen? Pois aparentemente existe sim. E não só não sabem quanto tem gente que não gostam de fazer paralelismo. Apesar de uma grande quantidade de pesquisas mostram que a maior parte dos norte-americanos condenam as ações de Charlie Sheen fora da tela, Two And a Half Men é uma das séries mais vistas da televisão, coisa que rendeu à Sheen duas nomeações para o Globo de Ouro, três para o Emmy e a nada desprezível quantia de US$ 1.25 milhões de dólares por episódio, fazendo de Sheen um recorde no Guiness por ser o ator melhor pago da televisão. Seu segundo recorde surgiu no dia 3 de março deste ano, quando devido à toda a polêmica por seu consumo exagerado de drogas, suas desavenças com Chuck Lorre (o criador de TAHM) e seu pedido de aumento de 50% de seu salário, o levou a abrir uma conta de Twitter que em menos de 24 horas já haviam mais de um milhão de seguidores. A única bipolaridade provada que se pode atribuir à Charlie neste momento é de ele ser o favorito e anti-favorito dos Estados Unidos. Esta história, onde mais uma vez a arte imita a vida real, ainda tem muitas páginas a serem preenchidas, mas por enquanto o que nos dá mais curiosidade é ver se este homem com sangue de tigre realmente vale mais que dois homens e meio, ou se a série que o renovou, trouxe atenção e sobretudo dinheiro, e agora o “deixa ir”, realmente pode sobreviver sem ele.