Mariah Carey diz estar envergonhada por ter feito show para a família de Muammar Qaddafi

E! News | Faz 6 anos

 
Mariah Carey anunciou nesta quarta-feira, 03, que se sente “péssima e com vergonha” por ter realizado um show para Muatassim Qaddafi, filho do ditador Libanês, Muammar Qaddafi. Mariah foi contratada para cantar quatro músicas no Ano Novo de 2008 na Ilha Caribenha St. Bart. “Eu fui inocente e sem me dar conta para quem iria cantar”, conta Carey durante entrevista. “Isso é uma lição para todos os artistas. Precisamos ter mais consciência e tomar responsabilidade, independente de quem reservar um show para você. Por isso, nós artistas somos os culpados”. Carey, que ainda não mencionou se irá doar a quantia de U$1 milhão que recebeu pela apresentação, foi a terceira artista desta semana a anunciar que já foi contratada pela família Qaddafi. “Doar o dinheiro á caridade é uma boa attitude. Ajudar as outras pessoas... eu não vejo nenhum problema com isso”, disse Jamie Kitman, que administra as bandas de rock OK Go e They Might Be Giants. “Mas se uma pessoa estranha qualquer te ligar e falar ‘venha cantar para mim que te dou uma fortuna de dinheiro’, bom, as pessoas normalmente perguntam, ‘Quem é você e de onde vem todo esse dinheiro? ’”, complementou Allen Kovan, empresário de Steven Tyler, Motley Crue e outros. “Ah, com certeza eles sabiam. Com certeza eles já sabiam de tudo antes de chegar lá para realizar o show”, falou Kovan. Beyoncé, que cantou cinco músicas em St. Bart no Ano Novo de 2009 enviou um comunicado através do seu representante que “havia doado o dinheiro recebido da família Libanesa para uma caridade no Haiti”. Nelly Furtado também confessou que já recebeu U$ 1 milhão por ter realizado um show ao clã Qaddafi na Itália e que “doaria o dinheiro para uma caridade anônima”. “Isso é ótimo”, falou Howie Klein, ex-presidente da Reprise Records e um blogueiro esquerdista, do depoimento de Nelly. “Eu não consigo achar uma maneira melhor para lidar com a situação”. Os empresários de Usher, que de acordo com fontes do Rolling Stone indicou Beyoncé para o show em 2009 na Ilha St. Bart e 50 Cent para outro evento, recusa comentar sobre o assunto. Outra fonte conta à revista que os filhos Qaddafi pagaram “um monte” de artistas para realizar shows deste estilo durante a administração do ex-presidente americano Bush, quando Muammar Qaddafi contou que iria destruir as suas armas nucleares.