Johnny Depp é processado por agressão

E! News | Faz 5 anos

 

BLACK/startraksphoto.com



Temos uma novidade: Nem todas as mulheres querem que Johnny Depp rasgue suas roupas.

Em uma ação judicial abeta ontem, 16, o astro de Os Piratas do Caribe é acusado de ter mandando que sua equipe de seguranças removesse uma mulher deficiente de seu assento vip que estava próxima a ele no show do Iggy and the Stooges.

 






A mulher afirma que ela foi retirada de forma tão rude que suas roupas foram danificadas e seus sapatos caíram, e, que em uma outra vez, suas calças caíram, "expondo suas nádegas" para as outras pessoas da plateia.

O representante do ator ainda não respondeu.

A mulher, identificada como Jane Doe nos documentos oficiais obtidos pelo E! News, afirma que antes de encostarem nela, os seguranças de Depp tentaram impedi-la de voltar ao seu lugar quando ela explicou que havia deixado sua bengala com o marido e não podia usar a outra entrada por causa das escadas.

Ela também declara que depois de tudo isso, ela e seus acompanhantes notaram que o ator e seu grupo de seguranças estavam amontoados falando um com o outro enquanto olhavam para ela e que Depp estava "fornecendo supervisão direta e gestão para seus seguranças e direcionando-os para suas ações futuras".

Ações que, de acordo com a denuncia, incluíam agarrar seus pulsos para tirar o celular das mãos dela, tentar algemá-la afirmando que eram policiais fora de serviço, e arrastá-la pelo chão.

Jane Doe, uma professora de medicina, afirma que ela sofreu "de machucados a humilhações extremas" nas mãos da equipe de Depp – que, de acordo com ela, estava totalmente consciente do que estava acontecendo.

Ela contou que seguiu imediatamente para a sala de emergências e depois para a delegacia para ter "o incidente documentado". A ação não especifica se ela arquivou uma queixa criminal.

Johnny Depp e o Hollywood Palladium estão sendo processados por danos não especificados de uma lista de ofensas, incluindo negligencia, agressão, cárcere privado, imposição intencional de estresse emocional e práticas discriminatórias em local público.