Estrelado por Hailee Steinfeld, anúncio da Miu Miu é banido no Reino Unido

E! News | Faz 5 anos

 
Hailee Steinfeld em anúncio da Miu Miu (Divulgação Prada)
É normal certos anúncios serem banidos pelo uso abusivo de imagens provocativas, sensuais ou até com uma linguagem inapropriada. Mas, olhando bem para esta imagem, nada disso se aplica. A estrela está vestida (e com modelito super comportado!), ok. Ela não está fazendo nenhuma pose sensual, ok. Não está fazendo nada de inapropriado para sua idade. Então, o que houve com o anúncio da grife Miu Miu, estrelado pela jovem atriz de 14 anos, Hailee Steinfeld? Acredite se quiser, mas a auditoria de publicidade no Reino Unido, a Advertising Standards Authority, baniu esta peça da campanha após receber uma reclamação que a fotografia, tirada pelo queridinho da moda Bruce Weber, era “irresponsável” por sugeriu suicídio na juventude. Aparentemente Steinfeld, que aparece sentada nos trilhos, estaria esperando para ser atropelada por um trem. Além disso, os críticos afirmam que a atriz, que aparece com a mão nos olhos, estaria enxugando lágrimas, deduzindo que teria chorado por sofrer depressão. Que imaginação dessa galera. A organização Advertising Standards Authority rejeitou a reclamação, mas mesmo assim baniu o anúncio, pois determinaram que a peça violou os códigos da indústria de publicidade ao exibirem uma criança em local inseguro. “Porque Hailee Steinfeld, de 14 anos, era a única pessoa no anúncio e em um local inseguro como uma trilha de trem, concluímos que a peça publicitária foi irresponsável violando os termos da indústria”, disse o porta-voz da organização que controla as propagandas do país. A Prada, dona da Miu Miu, se defendeu, afirmando que a campanha tinha a intenção de mostrar Steinfeld como uma atriz esperando em seu set de filmagem as gravações e que ela faria parte “de uma campanha série, focada para o público adulto da high-fashion”. Prada afirmou também que o anúncio só seria visto em publicações lidas por mulheres maiores de idade. Mas, a Advertising Standards Authority não deu a mínima…