E o julgamento de Dr. Conrad Murray continua…

E! News | Faz 5 anos

 
O julgamento de ontem, 06, do médico Dr. Conrad Murray começou por volta das dez horas da manhã com o testemunho da médica legista de Los Angeles, Elissa Fleak, que falou sobre as drogas e os apetrechos que foram encontrados no quarto e no banheiro de Michael Jackson. A defesa pressionou bastante a médica para saber exatamente em que cômodo ela procurou por essas coisas e porquê. Mais tarde, o advogado de defesa, Ed Chernoff, voltou a afirmar que Fleak foi negligente na hora de coletar as evidências no quarto de Jackson. Ele questiona várias vezes a legista para sabe se ela acha que errou, e ela apensa responde, “Eu poderia ter descrito com mais detalhes”. Depois de mostrar algumas fotos, a defesa voltou a questionar Fleak sobre a coleta de evidências. SAIBA MAIS: Dr. Conrad Murray fez grande encomenda de propofol antes da morte de Michael Jackson! A acusação fez de tudo para provar que não havia nenhum erro na investigação. “Você conduziu uma investigação perfeita nesse caso?, perguntou o advogado a Fleak. “Não”. “Você já foi alguma vez?”. “Não”. “Você fez o seu melhor para descrever com precisão o que você viu?”. “Sim”. Ela foi liberada e o Ministério Público ainda aproveitou para mostrar a prova de que havia uma impressão digital de Murray estava em um vidro de propofol que estava próximo a cama de Michael. O próximo a subir para testemunhar foi o médico toxicológico Dan Anderson, que falou sobre todos os medicamentos e drogas que foram testados e encontrados no corpo de Michael. Ele confirmou a presença de propofol, que estava nos órgãos e no sangue do cantor, lidocaína e flumazenil (que é uma droga usada para reverter os efeitos de sedativos).