Ditador fictício, personagem de Sacha Baron Cohen lamenta morte do tirano Kim Jong-il

E! News | Faz 2019 anos

 

ParamountPictures



Aparentemente enquanto a maioria das pessoas está contente com a notícia da morte de Kim Jong-il, uma única figura pública está em lágrimas com a perda do ditador da Coréia do Norte.

Muitos acreditam que Kim Jong-il era simplesmente uma figura "negativa", um genocida responsável "pela morte de milhares de pessoas" e, por isso, se mostraram "contente" com a notícia. Mas, vem aí a parte engraçada...

Sabendo como chamar a atenção de todos e aumentar a publicidade de seu novo filme, o ator Sacha Baron Cohen enviou um comunicado satírico em nome de seu alter-ego, o protagonista de O Ditador, afirmando que estava de luto pela morte do "querido líder da Coréia do Norte" no último sábado, 17.






"Fico triste em saber que o meu querido Kim Jong-il faleceu. Nossos pensamentos estão com sua mulher e 813 filhos", disse Baron Cohen General Aladeen- Líder Supremo e Chefe da República de Wadiya.

"K-Jo era um grande líder, bom amigo e um razoável parceiro de jogo de peteca. Ele morreu como viveu, em elevadores de 3 cm. Um homem extraordinário, ele fez tanto para difundir compaixão, sabedoria e tirania pelo mundo".

"Em meu nome, Ahmadinejad, Chavez e Newt Gingrich, gostaríamos de dar as boas vindas a seu filho Kim Jong Un ao Eixo do Mal".

Enquanto O Ditador deve estrear somente em maio de 2012, o trailer super engraçado já está circulando por aí (veja aqui), mostrando a estrela de Borat como um tirano maníaco e barbudo de uma nação fictícia de Terceiro Mundo que vai para os Estados Unidos enfrentar a democracia.

Confira algumas imagens do filme:



Paramount Pictures






RAMEY PHOTO






ParamountPictures