Cory Monteith interpretou viciado em drogas em seu último papel

E! News | Faz 3 anos

 
Cory Monteith




"Ele queria muito fazer isso", diz diretor do longa






A morte de Cory Monteith pegou todos de surpresa. E após saber da notícia, o diretor Josh C. Waller falou sobre o que acabou sendo o último trabalho do ator: interpretar um traficante viciado em drogas no filme McCanick.

Siga o E! Online Brasil no Twitter

"Na minha cabeça, estava imaginando um homem pequenininho, mas Cory é alto. Mas quando o conheci, ele queria muito fazer isso... Ele era muito vocal sobre seu passado, e disse que queria tocar em coisas da juventude dele que ainda não havia usado como ator", contou Waller ao jornal Los Angeles Times.

TUDO QUE SABEMOS SOBRE A MORTE DE CORY MONTEITH

Quando decidiu se internar na rehab, em abril, o astro de Glee foi muito sincero ao tratar o assunto perante os fãs.

"Tenho sorte em muitos fatores, tenho sorte por estar vivo", contou ele ao Parade, ressaltando ainda que, quando era adolescente, usava "de tudo, o quanto fosse possível" e que "tinha um problema sério".

"Eu roubei uma quantia significativa de dinheiro de uma família. Sabia que seria pego, mas não ligava. Foi um pedido de ajuda. Eu fui confrontado e disse, ‘Sim, fui eu'. Foi a primeira coisa verdadeira que saiu da minha boca em anos", contou ele à revista.

MAIS: Amigo de Cory Monteith fala sobre luta do ator contra as drogas









De acordo com Waller, Monteith estava se preparando para a vida depois de Glee, onde ele interpretava o personagem Finn Hudson há quatro anos.

"Ele dizia, ‘Eu sei que não posso ficar nessa série para sempre, então estou começando a me preparar para quando não existir mais'. Com McCanick, ele estava começando uma trajetória", disse o diretor.

Cory foi encontrado em uma suíte de hotel em Vancouver, no Canadá, no último sábado, 13.

Leve o E! Online Brasil no bolso! Baixe o aplicativo do E! na Apple Store, Google Play ou Blackberry App World

O resultado da autópsia deve ficar pronto já nesta semana, pois o caso está sendo tratado como prioridade pelas autoridades devido ao "grande interesse público".