Conrad Murray faz ligação dentro de ambulância a caminho do hospital com Michael Jackson

E! News | Faz 5 anos

 
BANG!
No meio dessa confusão toda com Michael Jackson no dia 25 de junho de 2009, Dr. Conrad Murray teve tempo para ligar para o seu amorzinho? Isso mesmo. O médico pessoal de Michael fez uma ligação para suposta namorada enquanto estava dentro da ambulância com o cantor a caminho do hospital. Nicole Alvez, mãe do filho mais novo de Murray, foi uma das testemunhas de destaque do dia de hoje do julgamento. Ela declarou que o médico ligou para ela por volta das 13h30 do dia 25 de junho de 2009 e disse que estava dentro da ambulância com o cantor após encontrá-lo em casa inconsciente. Ela disse, “Eu lembro que ele me contou que estava a caminho do hospital dentro da ambulância com Sr. Jackson e para eu não ficar alarmada/preocupada”. LEIA TAMBÉM: Os três principais fatos do início da segunda semana do julgamento de Conrad Murray Nicole conheceu o médico em 2005 e que ficou sabendo que Murray era o médico pessoal de Michael um ano antes e que encontrou o cantor diversas vezes. Ela também relembrou o primeiro encontro com o Rei do Pop em Las Vegas, onde Murray tem uma clínica, e sorridente contou, “Eu fiquei sem palavras. Eu não estava acreditando que tinha conhecido Michael Jackson”. No seu testemunho, Nicole disse que após abril de 2009, Murray sempre deixava o seu apartamento à noite para retornar cedo no dia seguinte, já que o médico estava trabalhando intensivamente com o criador de Thriller enquanto ele preparava os 50 shows em Londres. Nicole admitiu que chegou a receber diversas encomendas da FedEx no seu apartamento para Murray, cuja a acusação declara que foram encomendas com Propofol, a droga que matou Michael, mas ela não sabe afirmar. Sade Anding, uma garçonete que conheceu Murray em 2009, também testemunhou hoje. Ela disse no julgamento que conversou um pouco no telefone com o médico momentos antes de Michael morrer. Só que ele se esqueceu de desligar e colocou o celular de volta no bolso. Ela lembra, “Eu perguntou Dr. Murray como ele estava. Ele disse que estava bem e pausou. Eu comecei a contar como foi meu dia e depois eu percebi que ele não estava prestando atenção. Eu ouvi umas vozes e alguém tossindo. Murray se declara inocente, mas pode pegar até 4 anos de cadeia se for julgado culpado. O caso continua.