Assediador de Madonna faz novas revelações no Twitter

E! News | Faz 5 anos

 

Christopher Polk/Getty Images



Robert Linhart foi preso pela primeira vez em setembro de 2010 depois que a polícia o encontrou em um caminhão na porta do apartamento de Madonna em Nova York com um canivete e um picador de gelo em mãos.

E agora, apenas três meses depois que o caso foi anulado, o stalker da cantora conta novos detalhes do caso em sua página do Twitter.

Ele escreveu na rede social que...






Terá de voltar ao Tribunal de Justiça no dia 19 de junho! Ou seja, Madonna ainda tem a chance de colocar o lunático na cadeia e andar com segurança pelas ruas.

"Bem-vindo ao meu pesadelo! Juiz Wittner inverte sua decisão de cancelar o caso. Meu julgamento será em 19 de junho de 2012. Meu advogado Kevin Kitson se demitiu", ele escreveu. 

Robert colou na placa traseira do caminhão um sinal que revelava seu amor por Madonna, mas contou no Twitter que a polícia de Nova York quebrou a lei e foi longe demais. 

Ele acrescentou: "Quando os 4 policiais desonestos da NYPD destruíram os sinais do meu carro, eles quebraram a lei e violaram o meu direito constitucional de discurso livre".

"Quatro covardes oficiais desonestos bateram em um homem algemado de 59 anos. Ele está preso por nada, exceto falar o que pensa. Tudo virá à luz...", continuou ele.

Em janeiro, Robert recusou um acordo judicial com uma sentença de um ano de prisão, com o seu advogado Kevin Kitson alegando que ele não deveria ser preso. 

Kitson disse, "O Departamento de Polícia de Nova York, neste caso, agiu como um funcionário da segurança privada de Madonna ficando a favor de uma celebridade. Se você tem dinheiro suficiente e poder, as regras são diferentes".

O caso foi, portanto, indeferido pelo juiz, que disse aos promotores que teriam que esperar algum tempo para continuar o processo, mas o escritório do distrito de Manhattan recorreu da decisão...

Para a felicidade de Madonna!