Após morte de Whitney Houston, Forbes analisa a fortuna da cantora

E! News | Faz 5 anos

 

Ron Galella/WireImage



Ela teve quase tudo...

Whitney Houston vendeu mais de 200 milhões de álbuns e singles, e ela teve 11 músicas no topo das paradas – incluindo, é claro, I Will Always Love You, que passou 14 semanas no topo. The Bodyguard ganhou o Grammy de Álbum do Ano e se mantém como a trilha sonora mais vendida de todos os tempos.

A diva pioneira recebeu um salário de US$10 milhões por Um Anjo em Minha Vida em 1995. Ela assinou um contrato de US$100 milhões com a Arista Records em 2011, e em 2010, a turnê Nothing but Love gerou US$36 milhões.

Mas a artista super talentosa também passou por um turbulento divórcio e passou muitos anos lutando contra seu vício em drogas e álcool.

Então, no final, quanto dessa fortuna permaneceu quando a cantora faleceu?

 






"Certamente existem rumores que Whitney Houston morreu falida e que ela não teve nenhum impacto financeiro significativo em sua vida pelos últimos dois anos", disse o escritor da Forbes, Zack O'Malley Greenburg ao E! News, "Já faz um tempo desde que ela lançou um álbum e esteve em turnê, então pode-se pensar que ao final de sua vida, ela estaria com pouco dinheiro".

A revista financeira estima que o período mais lucrativo da carreira de Houston tenha sido entre 1993 e 1994, quando a trilha sonora de The Bodyguard estava fazendo sucesso e ela ganhou US$33 milhões – o suficiente para deixá-la atrás apenas de Oprah Winfrey e Barbra Streisand na lista da Forbes das artistas com os maiores salários de todos os tempos.

Mas aparente todo esse dinheiro pode desaparecer facilmente. E, infelizmente, o comportamento da cantora não só arruinou sua voz, como também ajudou a devastar sua conta bancária.

"Ao ganhar US$36 milhões (em turnê), seu corte foi provavelmente de uns US$10-15 milhões", disse Greensburg, "Depois de pagar os impostos, seu agente, seu empresário... Você fica com cerca de US$5 milhões, e isso pode acabar de forma bem rápida quando você está acostumada a ganhar US$100 milhões em um contrato com a gravadora".

O Hiffington Post está citando uma fonte da gravadora enquanto isso, que afirmou que Houston "estava quebrada" e que seu selo estava avançando em seu dinheiro – e que, "foi por um bom tempo".

Se esse for o caso, liquidar as dívidas pode acabar sendo o passo mais importante de sua propriedade.

Registros de sua propriedade mostram que Houston tinha aproximadamente US$2,85 milhões em seu nome na forma de dois imóveis em Nova Jersey, um deles quase chegou a ser leiloado em 2006. Sua filha, Bobbi Kristina, listou seu endereço em um condomínio em Atlanta que foi comprado em 2007 por US$509.875

Whitney e Bobby Brown venderam sua mansão na Georgia em 2007, após se divorciarem, e a cantora ainda vendeu sua casa na Flórida em 2005 por US$1,35 milhão.





LEIA MAIS: Especial Whitney Houston - Últimos dias de uma diva





Então, a verdadeira pergunta deveria ser quando Houston está gerando após sua morte? Os desastres financeiros de Michael Jackson foram alvos dos tablóides por anos, e agora, suas propriedades voltaram a crescer alimentadas com rendimentos póstumos.

A Sony Music, que tem os direitos sobre o catálogo de músicas de Whitney, incluindo a trilha sonora de The Bodyguard, está, compreensivelmente, planejando uma agressiva campanha de marketing para promover o repertório de Houston entre as novas gerações que estão acostumadas a fazer downloads.

Logo após sua morte, a gravadora aumentou o preço de suas músicas de 99 cents para US$1,29... O que não é nenhuma novidade, já que em 2009, a Sony fez o mesmo após a morte de Michael Jackson, que já gerou mais de US$35 milhões desde então.

Isso soa promissor para a propriedade de Houston, não?!

Bom, ao contrário do cantor, Houston não escreveu seus maiores hits e não tem uma parte dos lucros das publicações, diminuindo exponencialmente seu corte em qualquer receita de vendas.

Na verdade, Dolly Parton, a autora de I Will Always Love You, é a dona da música. E se a música foi para o topo das vendas do iTunes logo após a morte de Whitney, Parton já pode se preparar para o aumento em sua conta bancária.

"Quando Whitney gravou a música, eu ganhei todo o dinheiro pela publicação e por ter escrito, e eu comprei um monte de perucas baratas", disse Parton à CNN durante uma entrevista no mês passado.

O chefe criativo da Sony, Clive Davis, que praticamente descobriu Houston quando ela era uma adolescente, também terá um grande aproveitamento se a venda das músicas da cantora voltarem a decolar. Afinal ele foi seu produtor executivo em seus três primeiros álbuns de grande sucesso (Whitney Houston, Whitney e I'm Your Baby Tonight), e também em seu último trabalho em2009, I Look to You. Davis também leva o crédito por ser o produtor de My Love is Your Love.

Mas é claro que Greensburg reconhece que "vender 200 milhões de cópias, mesmo para alguém sem qualquer direito de publicação, continua sendo, pelo menos, um quarto de um bilhão de dólares em lucros".

E nós temos a impressão de que as músicas de Houston ainda terão muitos anos pela frente.





LEIA TAMBÉM: Corpo de Whitney Houston já está em casa funerária de Newark